O meu significado amante

Por conseguinte, um amante não conta com nenhum estatuto legal. Numa acepção mais ampla, amante pode ser um apreciador ou um entusiasta: “O meu irmão é amante da música rock”. Por fim, na náutica, um amante é um cabo grosso (ou uma correia) que serve para içar parte do aparelho náutico. Analise o seu sonho e veja se a esposa do amante que aparece nele é o alvo central da história contada na sua mente. Se ela está segurando algo e, assim que você vê, o objeto toma mais sua atenção do que a mulher, talvez não valha a pena procurar pelo significado de sonhar com esposa do amante. O significado de sonhar com amante normalmente está relacionado a sentimentos seus que vêm sendo reprimidos. Apesar de serem sonhos com amante, não quer dizer que sejam obrigatoriamente ligados à sua vida amorosa. Eles também podem se relacionar a certos problemas de seu passado que acabaram não sendo resolvidos completamente. Estes problemas costumam te trazer um grande arrependimento ... O sonho de ver a mesmo ou outra pessoa em uma mina, significa que você está recebendo a profundidade ou o núcleo de um problema ou condição. Como alternativa, sugere que algo do seu subconsciente está vindo para a superfície. O sonho também pode ser uma metáfora para reivindicar o que é ”meu”…. Significado de a esposa do meu amante na resultados da pesquisa: Dicionário dos Sonhos - interpretação de sonhos com a esposa do meu amante & significado dos sonhos com a esposa do meu amante. Cerca de 110 resultados em dicionário de sonhos, onde você pode encontrar o símbolo, você está procurando. Significado de o meu marido engravidou a amante na resultados da pesquisa: Dicionário dos Sonhos - interpretação de sonhos com o meu marido engravidou a amante & significado dos sonhos com o meu marido engravidou a amante. Cerca de 109 resultados em dicionário de sonhos, onde você pode encontrar o símbolo, você está procurando. O melhor neste caso é seguir em frente procurar pela pessoa certa, o mais parecido com o que viu no seu sonho. Saiba qual o significado de sonhar com traição e casamento . Sonhos com amantes antigos ou seu ex namorado ou marido , significa questões inacabadas/não resolvidas relacionadas com uma relação específica. Significado de amante. O que é amante: Esta definição eo que me paraece ser de acordo com outros entendendo que amante pode ser uma pessoa amiga da outra ou seja gostar sedutora e as vezes ser simplesmente parceira ou entaõ amante de um determinado trabalho que executa com amor e carinho. Sonhos da filha do meu amante. O significado desse sonho dependerá do relacionamento que você tem atualmente com os filhos de seu amante e também do que você realmente sente por eles. Se você sonhou com a filha de minha amante, de uma maneira que procura protegê-la e estar ao lado dela como pai, então busca constante felicidade em seu ... Consulte o significado / definição de amante no Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, o dicionário online de português contemporâneo. ... Para meu total espanto venho a verificar que termos ingleses como download, link, email, ...

Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte IV - SUGESTÕES DE LEITURAS pt4 HBR

2020.07.23 10:48 diplohora Bruno Rezende : meus estudos para o CACD Parte IV - SUGESTÕES DE LEITURAS pt4 HBR

HISTÓRIA DO BRASIL16
16 Sugiro estudar ao menos um pouco História do Brasil e História Mundial antes de começar a estudar Política Internacional, por motivos óbvios. Vale dizer que boa parte da bibliografia de História Mundial pode, também, ser válida para os estudos de política internacional (vide Guia de Estudos).
- Apostilas “Anglo Vestibulares” (para História do Brasil, ler as duas apostilas da matéria na íntegra, com menos ênfase no período colonial): peguei as apostilas do 3º ano do ensino médio do sistema de ensino Anglo (série Alfa) de meu irmão. São quatro apostilas finas (no total, devem ter umas 300 páginas de Brasil e 100 de Mundial, se contar apenas após o Iluminismo). Inicialmente, peguei as apostilas para uma revisão inicial da matéria, mas devo dizer que fiquei impressionado com a qualidade e com a quantidade de informações que eu não havia achado em nenhum outro lugar. Acho que ninguém gosta de ler livros de História que divagam e que, embora bons em algumas partes, também têm alguns capítulos chatos e nem sempre muito interessantes. Inicialmente, achei que as apostilas fossem ser bem gerais (como são, geralmente, os estudos de ensino médio), mas elas me surpreenderam pelo poder de concisão e, ao mesmo tempo, por possuírem muitas informações boas. O mais interessante é que, por se tratar de apostilas voltadas para a revisão de vestibulandos, elas não incluem coisas mais gerais e de que toda pessoa ensinada tem conhecimento; são concisas e informativas. Eu grifava quase tudo dos capítulos. Em História do Brasil, fiz o teste e li determinadas matérias (Colônia e I Reinado) nas apostilas e comparei com a leitura do Boris Fausto (descrição a seguir). Para minha surpresa, a apostila, nessas partes, tinha mais informações e era mais interessante para o que CACD pede que o Boris Fausto. Resultado: fiz o que, para muitos, seria considerado um crime e abandonei o Boris Fausto. Não sei se dei sorte, porque não se cobrou História pura na terceira fase, apenas história da política externa. Possivelmente, os conhecimentos que deveriam haver sido apenas introdutórios foram suficientes, justamente, porque foram introdutórios à matéria de História da política externa, que estudei por outras obras (indicadas a seguir). De todo modo, eu não poderia deixar de fazer a indicação. As apostilas est~o disponíveis para download no “REL UnB”.
- História do Brasil (Boris Fausto): Cuidado! Não é História Concisa do Brasil, é só História do Brasil. Lançaram essa concisa (até constava na bibliografia dos Guias de Estudo, quando ela ainda existia), mas, segundo informações de professores de cursinho, não é boa, há cortes mal feitos e muita coisa fica de fora. O História do Brasil é, dizem, melhor. Para ser bem sincero, li só até meados do Império, que foi o tempo de descobrir as apostilas do Anglo. Depois disso, não toquei mais no livro do Boris Fausto. De qualquer modo, é bastante importante e bem recomendado.
- História da Política Exterior do Brasil (Amado Cervo e Clodoaldo Bueno): leitura completa obrigatória, um dos mais importantes de toda a bibliografia. Leia atentamente, faça resumos, fichamentos, mapas mentais, o que puder ajudar a gravar o máximo de informação possível. Ajuda em Política Internacional também. Na prova da terceira fase de História do Brasil de 2011, as quatro questões foram sobre história da política externa brasileira.
- Manual do Candidato: História do Brasil (Flávio de Campos e Míriam Dolhnikoff): já ouvi falarem muito mal dele, mas achei interessante, principalmente por duas razões. Em primeiro lugar, os capítulos são divididos por temas de maneira bastante útil (economia; sociedade e cultura; política externa etc.), o que facilita na complementação de estudos em temáticas que você não encontrou muito bem trabalhadas em outras fontes. Em segundo lugar, relacionado ao primeiro, só no manual achei itens mais pontuais referentes aos tópicos “sociedade e cultura”, que eu n~o havia encontrado, de maneira mais simples e sistematizada, em outras obras. Recomendo o possível uso desse manual como complemento a seus estudos de História do Brasil, especialmente das partes que você n~o encontrar em outras bibliografias (como “sociedade e cultura”, em meu caso). Além disso, há boas sugestões de leituras (tanto de bibliografia básica quanto de bibliografia complementar) ao final de cada capítulo do manual. Apesar de ser um manual massacrado por alguns, eu não o dispensaria. Não aconselho, entretanto, que se faça uso desse manual como leitura introdutória. Acho válido ler outras bibliografias de caráter mais geral primeiramente.
- Navegantes, Bandeirantes, Diplomatas (Synesio Sampaio Goes Filho): eu havia lido na Universidade e tinha um resumo muito bom dele (encontrado na internet), então só estudei pelo resumo mesmo. De todo modo, é bem curto e excelente livro sobre a formação territorial do Brasil, assunto recorrente do CACD. Vale a pena a leitura atenta, tomando notas acerca dos principais tratados de limites (nomes, datas, negociadores e o que mudou para o Brasil com cada um). Cobre praticamente todo o primeiro tópico de História do Brasil (só n~o digo “todo” porque, embora eu não saiba o quê, alguma coisa deve ter ficado de fora, nada na vida é tão fácil assim) e é fundamental para o concurso (matéria frequente da primeira e da terceira fases). Um resumo que encontrei na internet est disponível para download no “REL UnB”.
- Formação da Diplomacia Econômica do Brasil (Paulo Roberto de Almeida): o livro é bem grande, com muitos detalhes, então o que interessa são aspectos mais gerais. Usei apenas algumas poucas páginas, para suprir alguns pontos de política econômica no século XIX (tratado de 1827 com a Inglaterra, leis tarifárias pós-Alves Branco e tratado Blaine-Mendonça), mas pude ver que há muita coisa interessante para o estudo de História do Brasil de uma maneira geral também (para isso, atenção aos quadros das páginas: 54-56; 547-550; 579-591; 605-611; 627-628 – podem ser bons resumos não só para temáticas econômicas). Sugiro dar uma folheada, se você tiver tempo.
- Formação do Brasil Contemporâneo (Caio Prado Jr.), História Econômica do Brasil (Caio Prado Jr.) e Formação Econômica do Brasil (Celso Furtado): também estão na leitura recomendada para Economia e já caíram como leitura obrigatória de Português na segunda fase. São livros importantes sobre história econômica brasileira, e, mesmo que não leia os livros (só os li na universidade; para o concurso, li apenas resumos), pode ser interessante saber o argumento principal do autor e algumas características mais gerais. Acho que um resumo bom pode ser a solução, uma vez que colônia não é a temática principal nem da prova de História do Brasil, nem da de Economia.
- Raízes do Brasil (Sérgio Buarque de Holanda): também recomendado para a segunda fase, embora o cerne da atenção seja outro. É um livro curto e tranquilo de ler, mas nada que um resumo bom não possa ajudar com os principais argumentos. Acho que a relevância, em História do Brasil, talvez esteja mais em fornecer eventuais ilustrações e argumentos de autoridade para a terceira fase que na história presente no livro (com a ressalva de que, nos últimos anos, a possibilidade de usar qualquer coisa de História na terceira fase que não envolva política externa ter sido progressivamente reduzida). O prefácio da 26ª edição, de autoria de Antonio Candido, já serve como bom fundamento nesse sentido (“O Significado de ‘Raízes do Brasil’”, disponível para download no “REL UnB”).
- Casa-Grande & Senzala (Gilberto Freyre): acho que não vale a pena a leitura, principalmente por questões de tempo e de possíveis benefícios em termos de aproveitamento no concurso. Um resumo bom das principais ideias do livro pode ser suficiente (mesmo assim, acho que não vale muito a pena para a terceira fase, pode ser mais útil na segunda).
- Os Donos do Poder (Raymundo Faoro): também n~o li. H resumo no “REL UnB”.
- Introdução ao Brasil: um Banquete nos Trópicos – 2 volumes (Lourenço Dantas Mota): essa obra será, também, útil para seus estudos de Literatura. Não li para a primeira fase, e não me fez falta. Para a terceira, talvez possa ser importante, mas não li. Para a prova discursiva de História do Brasil, destacaria os capítulos:
· Volume 1: “Formaç~o do Brasil Contempor}neo”, “Formaç~o Econômica do Brasil”, “Os Donos do Poder”, “Conciliaç~o e Reforma no Brasil” e “A Revoluç~o Burguesa no Brasil”.
· Volume 2: “D. Jo~o VI no Brasil”, “A América Latina: Males de Origem”.
- A Construção da Ordem/Teatro das Sombras (José Murilo de Carvalho): juntamente com Os Donos de Poder, são importantes obras para o concurso, mas, como não tive tempo de ler, peguei resumos e acredito que foram suficientes. Acho que o principal desses autores é pegar alguns argumentos centrais que podem ser usados como argumento de autoridade na prova da terceira fase. Os resumos est~o no “REL UnB”.
- A Formação das Almas (José Murilo de Carvalho): a recomendação que recebi é que um resumo poderia substituí-lo, e foi isso o que fiz. Resumo no “REL UnB”.
- Maldita Guerra (Francisco Doratioto): além de o Doratioto ser membro da banca corretora da terceira fase (e professor do Curso de Formação do IRBr), é um livro sobre temáticas muito importantes. Como não tinha tempo, estudei os tópicos referentes a esse livro em outras obras mais sucintas. Li apenas o capítulo 1 (“Tempestade no Prata”) para a terceira fase, como recomendação do professor do cursinho, mas nem é muito bom. Muito melhor que esse capítulo é o artigo “O Império do Brasil e a Argentina (1822-1889)”, do próprio Doratioto [Revista do Programa de Pós- Graduação em História da UnB, Vol. 16, No 2 (2008)]. Aproveitando a temática das relações Brasil- Argentina, sugiro o artigo “Relações Brasil-Argentina: uma anlise dos avanços e recuos”, de Alessandro Warley Candeas [Revista Brasileira de Relações Internacionais 48 (I): 178-213 (2005)]. Esses dois artigos est~o disponíveis no “REL UnB”.
Podcast sobre a Guerra do Paraguai: http://www.radioponto.ufsc.bindex.php?option=com_content&view=article&id=903:tempestade
-no-prata&catid=6:radiojornalismo&Itemid=31
Os livros a seguir são recomendações que recebi e recolhi na Internet, embora eu não tenha feito uso de nenhum deles em minha preparação.
- A História do Brasil no Século 20 (Oscar Pilagallo/Folha de São Paulo) - cinco pequenos livros. Já vi recomendações de que é boa (e curta) fonte de revisão, especialmente para a primeira fase.
- A Idade de Ouro do Brasil (Charles Boxer): sobre Brasil colônia. Não sei se vale muito a pena, o que se tem cobrado do assunto é bem superficial, e um livro geral e básico pode resolver o problema.

- A Identidade Nacional do Brasil e a Política Externa Brasileira (Celso Lafer)

- Autonomia na Dependência (Gerson Moura)
- Cronologia das Relações Internacionais do Brasil (Eugênio Vargas Garcia)
- Da Monarquia à República (Emília Viotti da Costa)
- Dicionário de História do Brasil (Moacyr Flores)
- Diplomacia Brasileira (Lampreia)
- História do Brasil: uma interpretação (Carlos Guilherme Mota)
- História Geral do Brasil (org. Maria Yedda Linhares): ler apenas o capítulo sobre o Império.
- Os Sucessores do Barão (Mello Barreto)

- Relações Internacionais do Brasil: de Vargas a Lula (Vizentini)

- República Brasileira (Lincoln de Abreu Penna): apenas até o fim da Era Vargas.
- Rio Branco: o Brasil no mundo (Rubens Ricupero): pequeno livro sobre o Barão do Rio Branco. Não li, mas acho que pode ser interessante (é bem curto também). Esqueça a biografia do Álvaro Lins, sem utilidade prática para o concurso. Não li nada sobre o Barão que não estivesse no livro de Amado Cervo/Clodoaldo Bueno.
- Sessenta Anos de Política Externa Brasileira (1930-1990) (orgs.: José A. G. Albuquerque, Sérgio
H. N. de Castro e Ricardo A. A. Seitenfus)
- Trajetória Política do Brasil (Francisco Iglesias): segundo recomendações, é um resumo bom de todo o assunto de História do Brasil e pode servir como revisão antes da primeira fase.
- Uma História do Brasil (Thomas Skidmore)
HISTÓRIA MUNDIAL
- Apostilas “Anglo Vestibulares” – já descritas acima. As apostilas estão disponíveis para download no “REL UnB”. Para História Mundial, ler a partir de “Iluminismo”.
- História das Relações Internacionais Contemporâneas (José Flávio Sombra Saraiva): li na Universidade e para o concurso. O engraçado é que, quando o li na Universidade, tendo aula com o próprio Saraiva, não gostei do livro e não cheguei sequer a ler os últimos capítulos. Quando fui ler para o concurso, achei bom. Apesar de não ser completo, acredito ser boa introdução para quem está meio enferrujado no assunto ou, ainda, boa revisão de tópicos gerais para quem já estudou alguma coisa. Recomendo.
- O Mundo Contemporâneo (Demétrio Magnoli): é de Ensino Médio, mas é sensacional. Ótima introdução ao tema. Tanto para PI quanto para HM, é um dos melhores e mais importantes para o concurso. Leia a partir do capítulo 3. Sugiro que você, à medida que ler o livro, faça anotações de tópicos e de datas mais importantes (podem ser muito úteis para a revisão às vésperas da primeira fase). É mais voltado para o período após o início da guerra fria, mas há alguma coisa sobre o período anterior a esse também. De qualquer forma, isso significa que outras leituras em temas não contemplados aqui, como Revolução Francesa e Revolução Industrial, por exemplo, são fundamentais. Para cobrir essa parte da matéria, sugiro o volume 2 do História da Civilização Ocidental, do Burns (citado abaixo).
- História da Civilização Ocidental (Burns, volume 2): não li por falta de tempo, mas já ouvi comentários de que é melhor e mais didático que os livros do Hobsbawm (descritos abaixo). Como é um livro antigo, é necessário complementar com outras leituras. O Mundo Contemporâneo pode fazer isso muito bem. Se tiver tempo, é uma leitura bastante recomendada.
- Manual do Candidato: Política Internacional (Demétrio Magnoli): é bem geral e não passa nem perto de falar sobre todos os temas. Incluí o Manual do Candidato: Política Internacional aqui na lista de livros de História Mundial pela simples razão de o livro ser quase todo igual (ou, para não dizer “igual”, ao menos muito semelhante) ao O Mundo Contemporâneo. Há partes que são simplesmente idênticas (apesar de o autor mudar os nomes dos capítulos). A dica, portanto, é comparar os conteúdos, para ver o que é novidade e o que não é. Preferi O Mundo Contemporâneo (ler apenas do capítulo 3 em diante). O manual possui alguns erros (especialmente, de datas), mas nada que não possa ser facilmente detectado por um leitor atento (e que saiba um pouco de História, obviamente) ou que comprometa o livro como um todo. Se não tiver acesso ao O Mundo Contemporâneo, o manual não é de todo ruim.
Obs.: não confundir! Há outro manual mais novo, de autoria de Cristina Pecequilo, que está descrito abaixo, na parte de Política Internacional.
- Manual do Candidato: História Mundial (Vizentini): sabe aqueles livros que dão vontade de chorar e de abrir o Word, para fazer todas as doze milhões e quatrocentas mil correções de Português necessárias? Então, aqui está um prato cheio. Tenho amigos que começaram a ler e não conseguiram terminar. Não sei como eu resisti até o final, mas devo dizer que está longe de ser uma leitura prazerosa ou primordial. Passe adiante!
- História da Paz e História da Guerra (org. Demétrio Magnoli): os livros são, de maneira geral, bons e rendem boas anotações, embora não sejam imprescindíveis. O História da Guerra está disponível para download no “REL UnB”.
- As “Eras” de Hobsbawm: não li nada do Hobsbawm. Para falar a verdade, só para não dizer que não li nada, li dois trechos curtos de capítulos, sobre Revolução Mexicana e sobre a Revolução Russa de 1905. Foi o suficiente para decidir não ler mais nada. Mil desculpas aos amantes da História e do Hobsbawm, mas cheguei à conclusão de que não tinha tempo para gastar com capítulos longos e, muitas vezes, com informações desnecessárias (ou até mesmo sem as informações que, para o concurso, realmente importam, haja vista a parte de Revolução Mexicana, que não fala nada com nada). Aí alguém diz “mas havia um item em 2011 que era praticamente cópia do Hobsbawm”, e respondo: 1) acho pouco provvel que alguém consiga decorar detalhes como os que foram pedidos; 2) a questão foi tão mal feita que, apesar de ser quase a cópia do livro, copiou errado, e o gabarito ficou errado (ou seja, se a prova fosse de consulta, é provável que eu errasse a questão – pode ser que eu seja muito burro para entender o Hobsbawm também, mas não consegui entender de onde a banca tirou o gabarito louco a questão). Se você fizer muita questão de ler o Hobsbawm, mas muita questão mesmo, sugiro que leia apenas a Era dos Extremos. Se, ainda assim, você quiser ler e fichar todos os quatro livros, saiba que estará perdendo tempo. Todas as “Eras” est~o disponíveis para download no “REL UnB”. Reproduzo, a seguir, uma indicação de leituras que achei na internet, para aqueles que querem ler o Hobsbawm de qualquer maneira. Não sei se a seleção de capítulos é boa, se é muita leitura (provavelmente, sim) etc. De qualquer forma, aí vão os capítulos recomendados no blog “Estudos Diplomticos”:
- Era das Revoluções: cap. 1 a 3, 6, 7, 16;
- Era do Capital: cap. 1, 5, 6, 9, 12 a 16;
- Era dos Impérios: cap. 3 a 6, 9 a 13;
- Era dos extremos: cap. 1 a 8, 11 a 13 e toda a parte III.
- O Longo Século XX (Giovani Arrighi): Só li na universidade, não para o concurso. A recomendação é ler apenas os capítulos 1 e 4 (obviamente, ponderando, de acordo com o edital, o que é realmente importante nesses capítulos). Não acredito que seja indispensável.
- Ascensão e Queda das Grandes Potências (Kennedy): Só li na universidade, não para o concurso. A recomendação é ler apenas os capítulos 4 a 8. Não acredito que seja indispensável.
- Diplomacia (Kissinger): Só li algumas partes na universidade, não para o concurso. Um professor de História Contemporânea da UnB, ex-professor de cursinho preparatório para o IRBr, recomendou a um amigo a leitura dos capítulos 9, 10, 16, 19, 24 a 30. Não acredito que seja indispensável.
- “Wikipédia”: como tudo na vida, é necessário usar com consciência, mas pode ajudar bastante, especialmente para coisas pontuais. Ainda que, como todo mundo não se cansa de repetir, haja muitos erros (nisso ela não inovou: quantos milhares de erros também achamos nos livros da bibliografia?), acho que, desde que não seja sua única ou principal fonte de conhecimento, pode ajudar bastante em História Mundial.
Outras sugestões que recebi (mas não li nem as obras, nem comentários a respeito delas): História da América Latina (Donghi), História do Capitalismo de 1500 a Nossos Dias (Michel Beaud), Introdução à História Contemporânea (G. Barraclough), The Penguin History of the Twentieth Century: The History of the World, 1901 to the Present (J. M. Roberts), O Século XX (org. Daniel Aarão, 3 vol).
submitted by diplohora to brasilCACD [link] [comments]


2020.04.14 08:59 Lost-Morning Fogos de artifício de Liuyang Qingtai Huang Weide: Para os lindos fogos de artifício, minha mãe sorriu alegremente e trabalhou duro por toda a vida

Fogos de artifício de Liuyang Qingtai Huang Weide: Para os lindos fogos de artifício, minha mãe sorriu alegremente e trabalhou duro por toda a vida
https://preview.redd.it/65wsfh80fqs41.jpg?width=1280&format=pjpg&auto=webp&s=c408923c82bbb656051f420a74030f28cd29fad2
浏阳庆泰烟花黄蔚德:为了绚烂的烟花下,母亲开心的笑容,奋斗一生
Fogos de artifício de Liuyang Qingtai Huang Weide: Para os lindos fogos de artifício, minha mãe sorriu alegremente e trabalhou duro por toda a vida
她是个历经磨难的女人,出生在战乱的时代,成长在贫穷饥饿的年代。她叫陈玉兰。青春时期,陈玉兰经人介绍嫁给了一个质朴诚实的男人,生育了一双儿女,当她感到幸福终于降临她的身边时,家中的顶梁柱丈夫却意外去世,那一年她的儿子才刚满四岁,女儿才咿呀学语。颠簸的命运,坎坷的经历,重重将这个淳朴的女人击垮,她抱着一双儿女撕心裂肺的哭到晕厥,待她醒来时,儿子站在床边端了一杯水她喝,指着窗外对她说:“妈妈,你看,过年了,外面放爆竹,好美……”陈玉兰擦干眼泪,紧紧的抱紧儿子和女儿……
Ela é uma mulher que sofreu dificuldades, nasceu em tempos de guerra e cresceu em tempos de pobreza e fome. O nome dela é Chen Yulan. Na juventude, Chen Yulan apresentou que se casou com um homem simples e honesto e deu à luz um par de filhos.Quando sua felicidade finalmente chegou, seu marido morreu inesperadamente e seu filho tinha apenas quatro anos naquele ano. Minha filha balbuciou e aprendeu. O destino esburacado, a experiência esburacada, esmagou esta mulher simples, ela chorou com um par de filhos, de coração partido e desmaiou.Quando acordou, o filho ficou ao lado da cama e trouxe um copo de água. Olhando pela janela, ela disse: "Mãe, olha, é o Ano Novo Chinês. É lindo colocar foguetes do lado de fora ..."
从这以后,这个淳朴的女人就挑起家庭的重担,不辞劳苦的工作,她质朴的心愿就是能够让儿女能够有口饭吃,过年过节也能够跟儿女放几个爆竹。父亲离去时的那一年的烟花,母亲的泪,那一幕像一枚印记一般铭记在黄蔚德内心的深处。看着母亲的流淌的汗水,日渐佝偻的身体,少年的黄蔚德小学读到三年级就辍学,到一家爆竹厂做小工,主动选择最危险的给爆竹加火药的工作,只为一天能够多赚几毛钱工资。
Desde então, essa mulher simples sobrecarregou a família e trabalhou arduamente, e seu desejo simples é permitir que seus filhos comam e comam e colocar alguns foguetes com seus filhos durante o Ano Novo e o Ano Novo. Os fogos de artifício naquele ano em que meu pai foi embora, as lágrimas de minha mãe, a cena foi impressa nas profundezas do coração de Huang Weide como uma marca. Observando o suor e o corpo em crescimento da mãe, a jovem Huang Weide Elementary School abandonou a escola quando ele estava na terceira série, trabalhou como um pequeno trabalhador em uma fábrica de fogos de artifício e tomou a iniciativa de escolher o trabalho mais perigoso de adicionar pólvora ao fogos de artifício. Salário de alguns centavos.
就这样一做就是十二年,从计件小工,做到烟花技术师父,勤奋好学的黄蔚德那时最大的愿望就是,希望母亲不要那么辛苦,家里人能够每餐都能吃顿饱饭,过节过年,能陪母亲妹妹一起放爆竹。改革开放的春风终于吹到了浏阳,黄蔚德在家里开了个小小的烟花作坊,得益于母亲和黄蔚德多年来经常将家中的粮米赠送给村里没有饭吃的村民,很多人都主动来给黄蔚德做手工,村里大事小事喜事节日也都会来黄蔚德家里买烟花爆竹。黄蔚德的烟花作坊很快就做的红火起来。
Fueron doce años para hacerlo. Desde el trabajo a destajo, el maestro de la tecnología de fuegos artificiales, el mayor deseo de Huang Weide, trabajador y trabajador en ese momento, era esperar que su madre no fuera tan dura. Año Nuevo, puede acompañar a madre y hermana con petardos. La brisa primaveral de la reforma y la apertura finalmente golpeó a Liuyang. Huang Weide abrió un pequeño taller de fuegos artificiales en casa. Gracias a su madre y a Huang Weide, a menudo donaba el grano y el arroz en su casa a los aldeanos que no tenían comida en la aldea. Huang Weide hace manualidades, y los principales eventos y felices eventos de la aldea también vendrán a la casa de Huang Weide para comprar fuegos artificiales y petardos. El taller de fuegos artificiales de Huang Weide pronto se hizo popular.
黄蔚德的勤奋好学,乐善好施,深得人心,浏阳的第一家民营工厂浏阳水泥厂,众人把他推荐为厂长。在大家还拿着30块一个月工资的年代,黄蔚德将一家名不见经传的民营小厂,做到年利润超600万,出口全球,他花了整整十二年。
A diligência, o trabalho árduo e o bem-estar de Huang Weide conquistaram o coração das pessoas: a primeira fábrica privada de Liuyang, a Fábrica de Cimento de Liuyang, foi recomendada por ele como diretor. Na época em que todos ainda mantinham 30 yuans por mês, Huang Weide vendia uma fábrica privada pouco conhecida, com um lucro anual de mais de 6 milhões, e a exportava para o mundo, o que levou 12 anos.
那一年,也是过年,家家户户都走亲串户,烟花爆竹,热闹非凡。黄蔚德扶着母亲站在门口看小孩子们放烟花爆竹,只见一个衣衫褴褛的约莫10岁孩童,手里拿着一只碗也站在一旁看眼花,眼里写满着——希望,幸福。黄蔚德眼睛湿润了,他似乎看到了儿时的自己,他想起了父亲走的那年过年他妈妈的眼泪,他端上一大碗饭菜递给了那个乞讨的孩子,然后将口袋的钱全都掏出来交给孩子对他说:“孩子,回去跟家人吃团圆饭,放爆竹。”回头望着母亲,母亲望着黄蔚德眼里满是泪水,却绽放着欣慰的笑容。
Esse ano também foi o Ano Novo Chinês. Todos foram para a família, fogos de artifício e fogos de artifício. Huang Weide ajudou sua mãe a ficar na porta e assistir as crianças exibirem fogos de artifício.Eu vi uma criança de 10 anos esfarrapada segurando uma tigela na mão e olhando para o lado, deslumbrada, os olhos cheios de esperança e felicidade. . Os olhos de Huang Weide estavam úmidos. Ele parecia se ver na infância. Lembrou-se das lágrimas de sua mãe quando seu pai deixou o Ano Novo. Ele trouxe uma grande tigela de comida para a criança que estava implorando e depois sacou todo o dinheiro do bolso. Vá até a criança e diga: “Filhos, voltem para jantar em família com fogos de artifício.” Olhando para a mãe, a mãe olhou para os olhos de Huang Weide cheios de lágrimas, mas um sorriso de alívio.
望着天上绚烂夺目的烟花爆竹,黄蔚德擦干眼泪,他决定重新回到烟花行业。这绚烂的烟火,述说着老百姓对国泰民安的淳朴心愿,对幸福的美好期盼。这美丽的烟火,见证着老百姓合家团圆的幸福欢乐,对喜庆的美好追求。
Olhando para os deslumbrantes fogos de artifício e fogos de artifício no céu, Huang Weide enxugou as lágrimas e decidiu voltar à indústria de fogos de artifício. Este esplêndido fogo de artifício descreve as simples aspirações das pessoas por Guotai Min'an e a bela esperança de felicidade. Este belo fogo de artifício testemunha a felicidade e a alegria da reunião de família das pessoas comuns e a bela busca pela celebração.
他给他的烟花事业取名——庆泰。黄蔚德希望把所有生命和全部精力都付出到这个能够给人带来希望和幸福的烟花事业里,能够帮助更多的人拥有快乐和幸福也是他母亲一生的追求和心愿。现在的黄蔚德再做烟花心愿已经不是只为家人吃饱饭,今天黄蔚德做庆泰烟花的心愿是:世界每个地方,绚烂美丽的烟花下,有着孩童天真快乐的笑脸;有着爱侣们相伴甜蜜的笑脸;有着亲人们团圆的幸福笑脸,有着喜庆时人们的欢愉;有着落寞时对希望的期盼;有着老人们对过去幸福时刻的追忆;美好的烟火,能够给人们带来喜庆吉祥,能够带给人们美好希望。美丽的烟火,是中国人的智慧,是中国人对幸福的信仰,也是中国人送给世界最好的礼物。
Ele nomeou sua carreira de fogos de artifício - Qingtai. Huang Weide espera dedicar toda a sua vida e energia a essa carreira de fogos de artifício que possa trazer esperança e felicidade às pessoas, além de ajudar mais pessoas a terem alegria e felicidade. É também a busca e o desejo de sua mãe. Agora, o desejo de Huang Weide de fazer fogos de artifício não é mais apenas para alimentar sua família. Hoje, o desejo de Huang Weide de fazer fogos de artifício Qingtai é: Em todo o mundo, sob os lindos e lindos fogos de artifício, existem sorrisos felizes e inocentes das crianças; há doçura com os amantes Caras felizes com reuniões de entes queridos, alegria das pessoas quando estão felizes; esperança de esperança quando estão sozinhas; lembranças dos idosos de momentos felizes passados; belos fogos de artifício, que podem trazer alegria e felicidade às pessoas, Pode dar às pessoas uma boa esperança. Os belos fogos de artifício são a sabedoria dos chineses, a crença chinesa na felicidade e o melhor presente que os chineses dão ao mundo.
黄蔚德他传承了母亲勤奋好学,乐善好施,百善孝为先的品性,为了完成母亲一生夙愿,他把庆泰烟花,二十年的时间,从一家民营小厂,每年以30%以上的增长率,发展成固定资产1.6亿元,总占地面积超过5500亩,员工超过3000人,产能数十亿的大型烟花集团公司。从花中炮这一单品收千家万户追捧到橘子洲头烟花,奥运烟花供应商,取得国际专利无数,获得国际大奖无数,为中国的烟花行业的推动,有着历史性的意义。
Huang Weide herdou a dedicação trabalhadora, trabalhadora e caritativa de sua mãe.Para cumprir o desejo de longa data de sua mãe, ele tirou o Qingtai Fireworks por 20 anos de uma pequena fábrica privada com uma taxa de crescimento anual de mais de 30% Tornou-se uma grande empresa do grupo de fogos de artifício com ativos fixos de 160 milhões de yuans, uma área total de mais de 5.500 acres, mais de 3.000 funcionários e bilhões de capacidade de produção. Desde o item único Huahua Cannon, que é procurado por milhões de famílias, até Orange Island Fireworks e Olympic Fireworks Suppliers, ganhou inúmeras patentes internacionais e inúmeros prêmios internacionais.Tem um significado histórico para a promoção da indústria chinesa de fogos de artifício.
今天已经66岁的黄蔚德谈起母亲曾经的苦难仍会眼睛湿润,他经常对人说:“我在烟花行业做了快五十年,只为了烟花能够让母亲开心的笑,我用五十年执着希望能够做到业内第一,只为让我母亲能够为儿子感到骄傲,烟花飞上天绚烂绽放的那一刻,天下母亲那一刻开心的笑,我为此,付出了我一生,无悔。”
Huang Weide, agora com 66 anos, ainda tem olhos molhados ao falar sobre o sofrimento de sua mãe. Ele costumava dizer às pessoas: "Estou no setor de fogos de artifício há quase 50 anos. Somente porque os fogos de artifício podem fazer minha mãe sorrir feliz, eu uso-o há 50 anos. Persistentemente, espero ser a primeira na indústria, apenas para deixar minha mãe orgulhosa de seu filho, no momento em que os fogos de artifício voam para o céu, a mãe do mundo sorriu alegremente e eu paguei minha vida inteira sem arrependimento por isso ".
submitted by Lost-Morning to u/Lost-Morning [link] [comments]


2020.02.19 17:05 Lava_Jato Tive uma conversa com minha namorada ontem que me deixou... estranho.

Eu e ela estamos juntos há mais de 8 anos. Começamos a morar juntos no último.
Ontem, na terça-feira, ela saiu com o grupo de amigos dela. Eu não tenho problema com isso. Acho que é saudável no relacionamento você ter seu espaço, seus amigos, sua privacidade. Ela chegou tarde e alcoolizada. Tudo bem, eu não faria diferente. Mas eu resolvi perguntar o porquê de quando saímos juntos para o mesmo programa semana passada ela fez questão de ir embora mais cedo porque tinha que trabalhar no dia seguinte. E também porque toda vez que ela sai sem mim, ela costuma voltar bem mais tarde.
Ela me disse que quando eu não estou por perto ela é mais natural. Mais autêntica, Mais "expansiva". Que ela gosta de conversar mais, de conversar com gente diferente. Que sabe que eu não curto ficar puxando papo com desconhecidos atoa.
Eu expliquei que eu tenho ciúme dela. Que entendo ela se sentir mais a vontade sozinha só com os amigos, mas que como homem eu sei que se uma menina bonita num bar começasse a me dar conversa eu imediatamente acreditaria que ela está afim de mim, que tem alguma chance de ficarmos ou coisa assim.
Ela me assegurou que entende, mas que nunca me trairia, que não ficaria com outras pessoas. Que me ama, quer casar comigo e nunca faria nada que pudesse ameaçar o nosso futuro juntos. Porém ela admitiu que gosta da atenção. Que gosta do flerte. Gosta de estar num bar e conversar, ser expansiva, ver pessoas interessadas nela, dando em cima dela.
Eu entendo ela. Eu entendo o hedonismo, o narcisismo moderno, e as pressões que a sociedade faz. O culto a vida de solteiro, as aventuras. Acima de tudo eu entendo a busca por validação. Eu admiti pra ela que sentiria o mesmo, me sentiria "lisonjeado", atrativo, se eu saísse e uma mulher bonita ficasse dando em cima de mim. Não precisa rolar nada. Mas só de saber que você não está "fora de jogo", "castrado" ou é desinteressante. Que você não está num relacionamento porque não sobreviveria a vida de solteiro, mas sim porque escolheu, encontrou alguém que ama e quer ficar junto. É uma massagem no ego. É uma validação moderna. E pra quem está num relacionamento há quase uma década, é legal se sentir desejado.
Ela concordou comigo e eu disse que o problema é que as pessoas muitas vezes não vão querer parar por aí. E ela me assegurou que ela pararia as pessoas uma vez que nosso combinado é não ficar com outras pessoas. Que não achamos que somos o tipo de casal que seria liberal ao ponto de ter um relacionamento aberto ou coisa do tipo e ficaríamos bem com isso. Ela então me disse que concordava comigo e não queria isso, mas que não via problema em dar um beijo em um desconhecido(a) que nunca mais fosse ver. Um ato meramente momentâneo e descartável. Que não faria nem nunca fez isso, porque sabe que eu vejo muito mais significado num beijo do que ela. Que eu não ficaria bem com isso, logo ela não faria.
Eu expliquei que para homens isso tem muito haver com a conquista, a territorialidade. E que isso também afeta mulheres sim. E que não achava legal a ideia de pegando outra pessoa. Ela me parou para dizer que não seria "pegar" de dar uns amassos e coisas assim. Mas só um beijo, e que não via problema se eu nunca fosse saber ou isso voltar pro nosso relacionamento. Mas que ela entendia meu ponto e nunca faria nada disso sem que nós concordássemos. Que a prioridade era nosso relacionamento. Depois disso acabamos fazendo sexo e dormindo de cansaço.
O problema é que hoje de manhã eu acordei e fiquei com esse sentimento estranho. Essa insegurança. O que impediria um beijo de se tornar um amasso ou algo mais? Toda vez que eu falei que não gostava dessa ideia, ela concordava e dizia que nunca fez, mas que não via problema num beijo. Eu comecei a me questionar e questionar os relacionamentos de forma geral. Será que ela já fez e não me contou? Será que é melhor que fique assim do que ser incentivado? Incentivar isso poderia levar a uma escalada na abertura do nosso relacionamento? Eu odiaria beijar ela de manhã imaginando com quem e o que ela estava fazendo na noite anterior. Eu odiaria me sentir "corno" ou ser reconhecido na rua assim. Eu não quero isso. Mas é isso que é um relacionamento? Uma territorialidade? Um compromisso de abstinência dessa exploração sexual, dos impulsos, em prol do casal? Porque a maioria dos relacionamentos abertos acaba? O relacionamento perde o sentido? O que é o casal afinal? É alguém com quem você se junta pra formar uma família e ter uma vida junto? E o casal moderno seria isso mas com cada um virando pra um lado de vez em quando pra procurar o afeto em outros? Devoção não faz mais parte do relacionamento? É antiquado abdicar? A instituição "casal"pouco evoluiu nos últimos séculos, será esse o futuro? Porque eu me sinto inseguro? Ela diz que me ama, que nós acima de tudo, e que nem quer algo tão aberto. Mas não seria um beijo uma porta de entrada? Pra um(a) outro(a) amante te tentar seduzir? Basta um ter alguma fixação e se tornar um stalker? Insistir em querer mais? Ter algum tipo de tesão ou fetiche em roubar o que é de outro? Será que o problema sou eu que não me faço respeitar? Eu sou muito calmo, muito dócil, como outros homens evitam esses problemas? Será que eu preciso ser mais "bravo"? Ameaçar que posso ir embora? Que posso ser perdido? Será qu eo problema é que dou muita confiança? Muita segurança? Quantos homens você teria a liberdade de dizer que gosta de flertar e eles seriam compreensivos? Será que eu deveria ter respondido de forma grosseira e raivosa para de alguma forma reafirmar os limites do nosso relacionamento?
Enfim.. eu não fiquei bem. Mas não fiquei mal. Só fiquei meio "estranho". Precisava desabafar. Aceito opiniões e conselhos.
submitted by Lava_Jato to desabafos [link] [comments]


2020.01.24 03:41 altovaliriano O futuro de A Espada Juramentada

Como explicado no texto anterior, o tom subliminar no fim de A Espada Juramentada é sinistro. O casamento entre Rohanne e Eustace é repleto de desvantagens e potenciais tragédias, mas até o momento desconhecemos as consequências da solução inortodoxa de casar Webber e Osgrey. Porém, talvez possamos estabelecer algumas projeções para o futuro com base nos indícios obtidos em outros livros.
É consenso entre o fandom de As Crônicas de Gelo e Fogo que Rohanne Webber se tornou Rohanne Lannister ao casar-se com Gerold Lannister, o que faz dela a avó de Tywin Lannister. Embora essa conexão nunca tenha sido feita em qualquer livro (nem mesmo no Mundo de Gelo e Fogo), a completa escassez de outras Rohannes em todo o cânone das Crônicas nos permite inferir isso através de pura lógica.
De fato, o interesse de Gerold Lannister em Rohanne Webber não é uma especulação de fã. É uma especulação feita pelos próprios personagens de Dunk & Egg, durante a análise dos pretendentes de Rohanne:
[...] Cleyton Caswell e Simon Leygood têm sido os mais persistentes, embora pareçam mais interessados nas terras do que na pessoa dela. Se eu fosse dado a apostas, colocaria meu ouro em Gerold Lannister. Ele ainda tem que aparecer por aqui, mas dizem que tem cabelos dourados e é rápido de raciocínio, e tem mais de um metro e oitenta...
– ... e a Senhora Webber é muito ligada às cartas dele. – A senhora em questão estava parada na porta, ao lado de um jovem meistre desajeitado, com um grande nariz adunco. – Você perderia a aposta, cunhado. Gerold nunca vai deixar voluntariamente os prazeres de Lannisporto e o esplendor do Rochedo Casterly por alguma pequena propriedade. Ele tem mais influência como irmão e conselheiro de Lorde Tybolt do que jamais poderia esperar ter como meu marido. [...]
(A Espada Juramentada)
Neste diálogo temos evidências de que, por algum motivo, Gerold e Rohanne se correspondem e que há atração entre ambos, mas que Rohanne não acredita que o segundo herdeiro Lannister tenha interesse o suficiente para desposá-la, enquanto que seu cunhado pensa o contrário.
Portanto, quem nos introduziu à ideia de que Gerold poderia aparecer a qualquer momento para tomar a tantas vezes viúva Webber para si foi o próprio GRRM. Assim, não é de se espantar que o fandom tenha pulado direto ao assunto quando viu o nome de Rohanne (sem o sobrenome) ter sido citado como “amada segunda esposa” de Gerold Lannister.
Este tipo de conclusão nos leva a mais perguntas: Quando Alysanne e Eustace morreram para que Gerold e Rohanne tenham ficado livres para que Lannister e Webber pudessem se unir? O que aconteceu com Fosso Gelado depois que Rohanne foi morar em Rochedo Casterly?
Mas O Mundo de Gelo e Fogo não encerra as esquisitices envolvendo Rohanne com seu casamento e filhos. Também ficamos sabendo que a Viúva Vermelha “desapareceu em circunstâncias misteriosas em 230 d.C., menos de um ano depois de dar à luz o quarto e mais jovem filho de sua senhoria, Jason” (TWOIAF, As Terras Ocidentais: Casa Lannister sob os dragões).
Assim, os mais interessantes personagens secundários de A Espada Juramentada parecem fadados ao mistério, o que acrescenta mais uma pergunta à lista anterior “O que levou ao desaparecimento de Rohanne?”. Para tentar entender o que aconteceu a cada um deles precisamos ir respondendo perguntas em ordem.

A morte de Alysanne Farman

Não sabemos quando Gerold e Alysanne se casaram. Apenas sabemos que Gerold estava solteiro e era contado entre os pretendentes de Rohanne em 211 DC (ano em que se passa A Espada Juramentada). Não há como saber se ele nunca havia se casado ou já era viúvo de Alysanne.
Há entre o fandom uma impressão de que ele já era viúvo, decorrente de a Wiki of Ice and Fire afirmar (sem qualquer evidência) que Alysanne teria morrido “em ou antes de 211 DC”. Da minha parte, as menções aos “prazeres de Lannisporto e o esplendor do Rochedo Casterly” me deu a ideia de que Gerold sequer havia se casado pela primeira vez e estava aproveitando a solteirice. Porém, quem pode dizer ao certo? Certamente não eu.
O certo é que Alysanne teria que ter morrido antes de que Gerold desposasse Rohanne. Sabendo que Tytos Lannister nasceu em 220 DC, seus irmãos gêmeos mais velhos Tywald e Tion teriam que ter nascido ao menos no ano anterior, 219 DC. Dessa forma, a primeira esposa de Gerold não poderia ter morrido depois dessa data.

A morte de Eustace Osgrey

Assim como Alysanne, Eustace Osgrey não poderia ter morrido após 219 DC, pois, caso contrário o nascimento de Tywald e Tion seria absolutamente impossível. Porém, para Eustace, morrer no ano de 219 DC teria mais significado do que para Alysanne, uma vez que foi neste ano em que teve início a Terceira Rebelião Blackfyre.
De fato, diante de tudo que presenciamos, seria natural que pensássemos que, por melhor que ele tenha se saído como consorte de Rohanne nos anos seguintes aos eventos de A Espada Juramentada, ele voltaria a se unir aos Blackfyre se houvesse nova chance. Afinal, Eustace é um homem de mais de 50 anos, leal e teimoso. E cães velhos não aprendem truques novos.
Uma vez que Dunk & Egg provavelmente lutaram durante a Terceira Rebelião, talvez veremos Sor Eustace novamente em uma futura novela de Dunk & Egg.
A nova derrota poderá significar sua execução e talvez até alguma culpa possa resvalar em Rohanne. Dentro desta hipótese Gerold poderia casar com Rohanne para evitar sua morte. Mas ela também pode simplesmente ficar disponível diante da viuvez, livre de qualquer responsabilidade sobre os atos de Eustace.
Voltaremos a explorar ambas as hipóteses a seguir. Por enquanto basta entender que Eustace não poderia ter morrido depois de 219 DC e seria muito pertinente que ele morresse naquele ano, no contexto da Terceira Rebelião Blackfyre.

Fosso Gelado após o casamento de Rohanne com Gerold

É de se imaginar que o casamento de ambos resultasse na ascensão do primo Wendel Webber à condição de Senhor de Fosso Gelado. Afinal, cogitar que Rohanne simplesmente acumularia o título de Senhora de Fosso Gelado e Rochedo Casterly parece um pouco forçado.
Porém, a continuidade e sucessão do poder dos Webber sobre Fosso Gelado dependeria de sua lealdade Trono de Ferro (lado vencedor de todas as Rebeliões Blackfyre). Assim, assumindo que os Webber-Osgrey não tivesse se aliado aos Blackfyre, ou ao menos que os Webber não levassem a culpa por atitudes de Eustace na Terceira Rebelião, o controle dos Webber sobre Fosse Gelado estaria seguro.
Entretanto, como dito acima, seria muito pertinente que Eustace tivesse participado da Terceira Rebelião apoiando os Blackfyre com o poder de Fosso Gelado. Neste hipótese, quando a derrota viesse, a reincidência de Eustace custaria sua vida e a participação dos Webber custaria seus domínios.
Dessa forma, a Casa Webber perderia seus prestígio e bens e Rohanne, viúva pela quinta vez, seria absorvida para a Casa Lannister, por um homem que manteve-se interessado por ela ao longo os anos, Gerold.
Pode parecer que eu estou especulando livremente sobre este assunto, mas na verdade estou tentando desenhar uma linha entre dois pontos soltos. O primeiro ponto solto é a proximidade da Quarta Rebelião com todas as datas estimadas acima. O segundo ponto solto é a existência de um suposto integrante da Casa Webber na companhia mercenária Soprados, quase 90 anos depois:
O Príncipe Esfarrapado continuou como se ninguém tivesse falado.
Webber, você sonha reivindicar as terras perdidas em Westeros. Lanster, eu matei aquele menino pelo qual você era tão afeiçoado. Vocês três, dornenses, acham que menti para vocês. A pilhagem em Astapor foi muito menor do que prometeram para vocês em Volantis, e eu fiquei com a parte do leão.
(ADWD, O Soprado pelo Vento)
Assim, me parece que a Terceira Rebelião Blackfyre seria o momento ideal para que essas terras fossem perdidas. O que faria do mercenário Webber um provável descendente do primo Wendel.

O desaparecimento de Rohanne

Este é o evento futuro mais comentado entre os leitores. Especialmente porque as circunstâncias foram expressamente chamadas de “misteriosas”. Pessoas normais entenderiam que isto seria um sinal de que GRRM vai guardar segredo até quando puder. Mas fandoms não são feitos para pessoas normais.
Não surpreende, portanto, que a especulação mais disseminada seja a mais absurda. Em resumo, alega-se que Rohanne fugiu de Rochedo Casterly para se unir aos Blackfyre, assumiu o nome de Calla e se casou com Aegor Rivers, o Açoamargo. Na verdade, postula-se que Rohanne sempre foi a filha de Daemon, só estava sendo criada pelos Webber sob disfarce.
Obviamente nenhuma parte dessa teoria suporta qualquer tipo de auditoria. Desde as datas de nascimento até a idade de Rohanne quando ela teria fugido para se casar. Com 44 anos de idade, seria difícil que ela tivesse produzido um herdeiro para Aegor. Infelizmente, essa crítica perde força quando levamos em conta que, em 2018, GRRM disse que Açoamargo não teve filho algum. Portanto, seu relacionamento com Calla não era marcado pela busca por um herdeiro.
No final, eu acho que GRRM não deixou indícios o suficiente para sequer formularmos um hipótese.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2018.05.19 15:38 rodrigoablima Livro: Alfa e Ômega - Uma Aventura nas Profundezas da Divindade Humana

CAPÍTULO 1 - A FUNDAÇÃO
Há incontáveis eras, um grupo de anciões, vitoriosos de batalhas anteriores, decidiram criar uma nova existência, pois se esgotaram as possibilidades e o mundo se tornou previsivelmente insuportável e tedioso. Além disso, em sua sabedoria acreditavam que, como antes, seria necessária uma renovação, bem como o desapego, aos resquícios e memórias do passado. A estes senhores, de nomes impronunciáveis com nossas gargantas primitivas, chamaremos de Arcontes da Alma, os famigerados Pais Arquetípicos, conhecidos na mitologia judaica como Elohim. Dentre estes senhores havia um que se destacava, por seu amor e justiça, sendo a expressão exata do Elevado, aquele que conheceu a primeira criação de todas as criações. Valente guerreiro e pai amoroso. O Verbo e Senhor dos vinte quatro Arcontes.
Sentados, em seus tronos, conversavam e planejavam os eventos que seriam vividos na nova origem. O lugar onde estavam era de beleza única e com uma atmosfera de poder e glória jamais imaginada por mortais, como eu e você. Um lugar que assusta e atemoriza qualquer criatura, impondo respeito aos seres das alturas, ou dos mais baixos abismos.
Todavia existia um lugar de maior significado e peso, um lugar inviolável, o santíssimo lugar, a morada do Eterno. Apenas o Pai e Filho do Verbo poderia adentrar neste ambiente e o fazia somente em ocasiões únicas, em importância e necessidade. Ali residia o Misterium Tremendum que nenhuma criatura ou Elohi poderia conhecer e compreender em sua plenitude, apenas o Elevado e seu unigênito comungavam daquele lugar. Uma casa, uma casa de carne, pois diziam que era o cordis ou o útero da criação.
Um enigma foi proposto, por um dos arcontes para servir como busca e sentido à nova existência, entretanto por mais que se esforçassem não conseguiam encaixar as peças, neste quebra cabeça cósmico, para dar sentido real, sabor e abundância de vida aos novos entes.
O Verbo teve que intervir, pois todos haviam percebido que fazia se propício ao Unigênito entrar na câmara santíssima e ali, diante da Presença Eterna conversar com o Inefável, em busca de algo que pudesse trazer abundância de vida aos neófitos.
Então, os enviados serventes da recamara do rei receberam ordens para preparar e purificar o átrio do templo célico, e assim o fizeram. Estes servos, os homens chamam de anjos, mas nada mais são que seres enviados para uma missão especial. Um destes Gadreel, que em hebraico pode ser escrito como ?????, também conhecido como Azazel, é a origem de muito conflito e debate. Certamente seu real título, princípio e incepção estão envoltos em mentiras e sombras. Nenhum mortal, e até mesmo seres imortais, podem afirmar com certeza sobre algo que teve o embuste como razão de ser, embora nada passa despercebido e impune pelo Eterno.
Enquanto realizava os preparos para consagração dos átrios e vestíbulos reais sua atenção foi desperta por uma pedra vermelha, um seixo de jaspe carmesim usado nas vestes sacerdotais pelo Verbo. Quero deixar claro que muito do que acontece aqui não poderia ser descrito com linguagem e palavras humanas se respeitada sua exatidão. O certo é que o que foi me passado e permitido lhe exponho da melhor forma que minhas mãos escrevem e minha mente concebe, por isso faço uso alegórico, dos eventos agora relatados, pois sem os quais jamais poderia escrever. Por isso, creia no conteúdo e não na forma, como conselho, prezado amigo, haja sempre assim, na vida, geralmente o contorno é enganoso embora a essência liberte. Se não fizeres isto, de um jeito ou de outro, aprenderás que as palavras nada dizem, todavia o que fazemos com elas sim.
Então, possuído de cobiça, apeteceu possuí-la, pois conhecia o propósito e sabia que facultaria habilidade de abrir portais e poder sobre as trevas, corrupção e mal, se usada sem consentimento e vontade do Verbo, pois em seu coração deixou entrar a dúvida sobre a bondade divina. Sem muito pensar, tomou-a para si, colocando outra de sárdio, semelhante em forma, em seu lugar. Leitor cabe aqui lembrar, que o ocorrido, apesar de não aprazer a Aquele que É, foi planificado por Ele antes de todas as Eternidades, nas eras ocultas em Deus e no Cordeiro (O primevo Æion, Kairós do Ego e do Ser) e quando terminar tu verás que falo a verdade.
Neste momento, um Mal Antigo foi desperto, transformando interior deste anjo, que agora chamaremos de Inferno, עזאזל em hebraico, pois como narrado antes, se mal-usado o Jaspe Carmesim, que simboliza o sangue do Cordeiro, porque quem o toma e usa, o faz para sua própria condenação, se não empregar o discernimento por meio Daquele que é o alimento da alma. Uma porta foi aberta e o Inferno a habita e é habitado por ele, o Filho da Perdição.
Que fique claro que o erro deste grigori não foi possuir a pedra, mas ser ladrão de algo que é livre a todo aquele que pedir ao Pneuma. O erro é a escravidão do espírito, pelo ego, que não se é refreado pelo Verbo. Neste momento, o horror primevo, entrou no corrompido anjo guardião dos aposentos reais.
Uma terrível tristeza abateu sobre o Verbo. Podia-se ver claramente no semblante do Cordeiro que algo muito sério o afligia. Porém, Ele sabia que era anseio do Eterno e conhecia muito bem os desígnios do coração de Deus. O Eterno, também estava aflito e pesaroso, pois isso não era de sua vontade ativa, mas permissiva.
Tudo foi preparado para o momento. E o Cristo entrou no santuário onde até os anjos temem ir. Ele vestia a indumentária sacerdotal completa. A Estola Sacerdotal ou Éfode uma peça parecida com um avental, confeccionada nas cores azul, púrpura, carmesim e o branco de linho fino retorcido. Sobre o Éfode um peitoral com as doze pedras, que representam os fundamentos que sustentam toda criação. Na cintura partindo do umbigo uma espécie de cordão de prata ligava as vestes ao cubo, o cubo de Metatron, uma máquina que permitia a entrada no santíssimo lugar, e assim, entrar em contado direto com o Arché. Arché é a substância primordial, constituinte de toda matéria do universo. Na verdade, Arché é um número que quando em execução conjunta com o cubo de Metatron possibilita a entrada no console fundamental que fornece uma interface para a criação da realidade. Uma vez conectado a máquina a realidade percebida pelo sumo sacerdote é mudada e este pode entrar no módulo de construção, uma espécie de programa de computador que funciona como um ambiente integrado que facilita a criação de realidades extraídas da lógica do número (ou programa) que inspira a vida.
Permita-me amigo explicar-lhe melhor o que é o Arché, também conhecido como unidade divina. Ele não é apenas um número qualquer, mas o padrão da perfeição, uma seqüência harmoniosa que encerra dentro de si todas as criações possíveis. Embora bastante próximo de Deus o Arché não é Deus. Podemos dizer que Deus é pleno quando o Verbo, a Lógica e a Materialidade trabalham em prol do sentido existencial, o tempero da vida, o Amor. O ator do Verbo é o Cordeiro, o ator da Lógica é o Arché e a Matéria é fruto da máquina de Metatron. Embora não percebamos todas as vezes, os três são e estão em Um e são vistos em plenitude no homem, mais corretamente no Filho do Homem e neste, sempre trabalham em Amor, afinal Deus é Amor!
Após todos os preparativos realizados então o Verbo adentra o santíssimo lugar. Imediatamente sua fisionomia se transforma. O módulo arquiteto estava carregado e o link foi estabelecido. Todo poder criativo de Deus estava ao dispor do Verbo, assim como, uma via de largura de fluxo inesgotável fornecia a comunicação direta entre Pai e Filho. Amigo, você deve estar perguntando por que essa conexão se fez necessária, visto que Pai e Filho são um, posso citar vários motivos, mas dois se destacam.
O primeiro é que nem sempre o Filho quer e precisa de todo poder criativo divino, há momentos que isso não se faz necessário nem desejável, lembre-se que o Filho nunca usou poder desnecessariamente. Ele nunca precisou de pirotecnia para mostrar sua identidade, poder e glória.
O segundo é que Ele, sempre quis se comportar como humano, deixe me explicar com um exemplo. Um alpinista poderia escalar uma montanha com um equipamento que facilitasse ao extremo a conquista do cume da montanha, podendo se quisesse subir até lá de helicóptero. No entanto que graça teria isso? E lembre-se a chave da vida está na graça. A graça é o Amor, divinamente humano e pessoal, em Movimento. Sem movimento, não há graça. Sem isso a vida se torna o “Trabalho de Sísifo”. Vazia, oca, sem sentido e niilista. O Verbo vivo deseja que a criação se pareça com a história arquetípica dando forma, beleza e sabor em abundância. A limitação torna as coisas mais interessantes. Embora haja sacrifícios e sofrimento, ao final, quando o montanhista tem a magnífica visão do fruto de seu esforço ele diz, valeu a pena!
Há uma terceira razão, também importante, mas em momento propício, querido neófito, lhe revelarei. Por agora basta dizer que nem todos têm fé a ponto de mover montanhas e nem só o Verbo pode usar a máquina de Metatron, mas só ele pode ir ao Aleph Santíssimo e compreender o mistério e causa da Vida.
Depois de tudo preparado, Adonai inicia seu trabalho. Como de igual maneira, em todas as criações, a primeira criação é a luz, então em um grito catártico, Fiat Lux, e a luz foi feita. A partir deste ponto não preciso entrar em detalhes, pois você conhece o desenrolar dessa história. Quero apenas focar em um ocorrido, e farei isso nos parágrafos seguintes.
***
O grigori ladrão da pedra, não era o mais forte dos anjos, porém o mais astuto e hábil na arte do falar e convencer. Ele sabia que seus dias celestes estavam por se findar e pouco tempo teria antes que fosse derribado. Além disso, as trevas em seu interior cresciam rapidamente, sempre a clamar por sangue, morte e destruição. Ele precisava agir e ligeiro. Ele carecia de seguidores, mais isso seria impossível se não houvesse separação entre Deus e os Vigilantes Universais. Ele precisava se tornar o poder, o dínamo que separa. E se possível ele separaria até Pai e Filho. Ele semearia a semente da discórdia entre os anjos superiores. A fé na bondade divina deveria ser abalada.
Uma voz gutural sussurrou em sua mente – “A chave para as trevas é a morte e com a mentira triunfarás”. Ele ainda não havia percebido, mas o dragão, em seu âmago crescia devorando seu espírito dia-a-dia. E na biblioteca celeste seu interesse pelo conhecimento proibido das eternidades precedentes crescia, em especial sobre a figura dracônica. Ele não teve maiores problemas em obter tal conhecimento, pois era o responsável pela manutenção do acervo da biblioteca real. Justamente o anjo que devia manter os livros em secreto traía o designo divino. Isso foi apenas o começo.
Um prazer perverso enchia-lhe o coração. Ele se via maior que o Criador, o que lhe enchia o espírito de orgulho e prepotência. Então enfim a semente do dragão germinou em sua mente. Ele percebeu que o seu sim, não precisava ser sim e o não, não precisava ser não. E o engano o fez sentir livre como nunca antes. O primeiro fruto da semente do dragão foi à mentira. A mentira que falsamente liberta.
Munido de conhecimento oculto e proibido se aproximou de Samyaza, o querubim do trono. O único anjo que conhecia o nome completo de Deus, o Logos, palavra passe que concedia acesso ao cubo de Metatron para alteração da realidade. Era poderoso em guerra e belo em formosura, sendo considerado o sinete da perfeição. Fazia sua morada junto às pedras afogueadas. Seu poder militar e anjos seguidores rivalizava com os de Miguel. Samyaza, não deixava transparecer, mas em seu interior deixou crescer certa inveja por Miguel, pois julgava desnecessário dois generais celestes.
Gadreel possuído pelo dragão havia percebido a insatisfação do querubim do trono. Sucessivamente alimentava o sentimento ínvido de Samyaza. Tornaram-se amigos. Gadreel em momento propício convidou-o para a biblioteca celeste e lá comungaram de conhecimento proibido. O dragão em Gadreel era ávido em devorar o espírito e sabia que não poderia abastecer-se ainda mais de sua morada, pois acabaria por destruir seu aliado por completo perdendo-o na morte e na loucura. Incentivou-o com sussurros semi-conscientes a fazer o Pacto de Execrações, descritos nos livros do primevo Aion, relatado no terceiro capítulo, “A criação do Dragão”.
Tão logo as juras do ritual se concretizaram o dragão entrou em Samyaza, lhe despertando dúvidas sobre a bondade divina. Ele sabia que o que fizera era errado, mas sentia um gozo maligno ao ver o mundo com os olhos do dragão. Enganado acreditava que o mal também poderia ser um bom trilhar e que as trevas eram belas. Não conseguiu compreender que o mal só atrai-o para a morte, e ao final consumiria seu espírito. Cabe neste momento dizer-lhe amigo que Deus deseja que sejamos um com Ele, mas Ele respeita nossa essência. Já o dragão devora-nos de forma que não somos um, mas acaba por amalgamar de forma indelével sua essência em nosso imo suplantando-a pela a dele. Sobrando somente ele. Sua fome é insaciável. E seu apetite irrefreável. E suas vítimas acabam por sucumbir, sem perceber a mordida do vampiro das almas.
Então por que Deus criou o dragão? Veja que o dragão é mal, pois assim foi criado, ele foi homicida, promotor da morte desde o princípio, e com justiça será tratado no final.
Nós eleitos, desde a fundação do mundo, somos vitoriosos de eternidade em eternidade. Somos mais que vencedores. Porém o dragão e sua semente serão derrotados de criação em criação. Como o vilão que em sua desgraça merecida abrilhanta a vitória do herói. A derrota do dragão é motivo de festa daqueles que viveram pelo Verbo. Isso está em nossos corações, implantado em nosso inconsciente. É a história arquetípica escrita na primeva incepção. Na criação anterior o dragão foi vencido pela força... Nesta, porém, o nosso inimigo está em nós e não será vencido pela força ou poder, mas pelo Espírito de Deus. Se a luta será terrível, a vitória será imensa. A vitória, no entanto, revelará sim de modo esplendoroso que o santuário santíssimo tem lugar em nosso mais íntimo, em nosso EU SOU. Seremos e já somos coparticipantes da natureza de Deus. O Misterium Tremendum, o galardão final, daqueles que são fiéis ao Verbo, será revelado e conheceremos como também somos conhecidos. E Deus fará tudo novo de novo!
Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não lhe dá alegria alguma. Ele criou tudo para a existência, e as criaturas do mundo devem cooperar para a salvação. No entanto, a presença do mal permite o agir do bem. O Cristo teve a oportunidade de demonstrar seu amor, que em graça se transformou vertendo seu precioso sangue. E derrotada foi à morte e seu aguilhão e veneno será por fim destruído. Em alegria seremos transformados e o que hoje são sombras e névoas no porvir serão cores vivas como as luzes da aurora no esplendor do amanhecer.
O Eterno trabalha com ciclos. Como disse o sábio “Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou.”. Observe as estações do ano, os meses, as semanas e até mesmo os dias. Eles se repetem, mas sempre de forma diferente. A novidade não está exatamente naquilo que se vê, mas em como se vê.
Há tempo de destruição, de renovo, de trabalho, de descanso e neste fluir as eternidades passam. Ainda que em momentos de dor, mais perto chegamos do criador. Feliz aquele que achar mérito no autor das almas e para quem Ele disser, “Servo bom e fiel entra no teu descanso”. Nem todos adentrarão no descanso, pois com juras Ele disse “Não entrarão no meu descanso, embora fossem completadas as obras desde a fundação do mundo. ” Pois em certo lugar disse assim acerca do dia sétimo: “E descansou Deus no dia sétimo de todas as suas obras”. Pois aquele que entrou no descanso Dele, esse também descansou das suas obras, assim como Deus das suas. Lute por sua salvação, amigo, para que te aches no Espírito Eterno no dia em que Ele vir nas nuvens revelar as obras de suas mãos. O tempo é breve e já estamos no início do sétimo dia. Um dia para Ele são mil anos. Nosso tempo não é o Dele! E o homem é senhor do sétimo dia e reinará no milênio com o Cordeiro. Reino de justiça e paz.
Samyaza então revela a Gadreel o segredo do nome divino. Gadreel agora poderia entrar na nova criação divina e semear o germe do dragão. Entretanto havia um obstáculo. Como chegar ao santíssimo lugar, diante da presença divina, sem ser fulminado pela glória da visão sublime. Eles precisavam de algum artifício que pudesse ofender o Espírito de tal forma que este momentaneamente se ausentasse do sumo santuário. Precisavam conversar diretamente com o dragão e para isso usaram a pedra carmesim roubada. Assim, profanou a pedra de sangue para trazer do abismo ancestral o dragão. Munidos de poder profano conseguiram realizar a maior de todas as desonras, “O abominável da desolação” no lugar onde jamais deveria ser feito. Eu poderia relatar como e de que maneira isso foi realizado, mas o simples fato de mencionar tal hediondez é um sério pecado, por isso amigo, não entrarei em detalhes.
O dragão usou Gadreel para ocupar a serpente e então seduzir a Eva a comer do fruto do conhecimento. O dragão pôde então inserir no gênero humano sua corrupta semente. É por isto que alguns homens são verdadeiros demônios, sem qualquer tipo de compaixão ou remorso por seus atos. São filhos do diabo, promotores da morte e do engano, homicidas frios e insensíveis. Nos últimos dias, quando a ceifa estiver às portas, a distinção entre luz e trevas entre joio e trigo será fácil e assim os anjos terão pouca dificuldade em separar os bodes das ovelhas.
Nessa época, os homens serão amantes de si mesmos, gananciosos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes aos seus pais, ingratos, ímpios, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Serão o reflexo do dragão trilhando o caminho da escuridão em profundas trevas. Do céu será revelada a ira de Deus contra toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça. Como disse o Revelador “veio a tua ira, e o tempo de serem julgados os mortos, e o tempo de dares recompensa aos teus servos, os profetas, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra.” Mas antes da primeira luz do dia raiar no horizonte, a noite tem que ficar mais escura!
Deus sabia qual caminho o homem iria trilhar, mas Deus nunca pune um pecado que você ainda não cometeu. Deus realmente queria que o homem fosse como Ele, não negando-lhe nem mesmo seus atributos criativos, a maior vontade de um pai e que o filho trilhe seu caminho. Mas Deus sabia que isso tinha um preço, um alto preço, pois Deus não seria tão irresponsável de dar a uma criança tamanho poder de uma vez, por que o poder corrompe e o poder absoluto corrompe totalmente! Foi então que Ele, Deus, revelou seu plano ETERNO de SALVAÇÃO, o CAMINHO, pelo qual os escolhidos chegariam a DEUS, de forma a não se corromper! Deus plantou no jardim do Éden duas arvores, a do "Conhecimento do Bem e do Mal" e a arvore "da Vida". Nas regiões celestiais, o Satã, a inimizade, a sombra, também entraria nesse plano. Gadreel entrou na serpente e fez o homem escolher um caminho que não era a vontade do VERBO. Ele roubou a identidade do homem e autoridade sobre o mundo criando inimizade entre Deus e homem e entre homens e homens! E ainda fez parecer, que ele foi o bem feitor da humanidade, revelando um segredo oculto, o qual, segundo o diabo, Deus não queria que o homem soubesse! Mas tudo isso já havia ocorrido, em Deus, nas eras ocultas da ETERNIDADE.
Então DEUS faz a promessa, a primeira profecia, sendo o profeta o próprio Deus, "Um dia, um descendente de Eva, esmagaria a cabeça da Serpente" e ela, a serpente, feriria este homem no calcanhar! O problema é que agora, o ser do homem, estava corrompido e não refletia o EU SOU, o espírito de Deus, que diferencia os homens dos animais, havia adormecido, e a sombra (que na Bíblia é conhecido como carne – A semente do dragão) tomou seu lugar. A alma do homem se inclinou e inclina para o mal, porque a essência do dragão se ligou a ela, como já havia dito. Então, Deus no tempo certo, envia seu TABERNÁCULO, de carne, o VERBO abre o CAMINHO, do alto a baixo, rasgando o véu, o escrito de dívida, que separava DEUS do homem, se misturando com o homem de forma tal que não poderia ser separado. Uma guerra foi é e será vencida... Neste CAMINHO agora o homem tem em seu corpo duas essências conflitantes e que militam entre si, o ESPÍRITO e a CARNE. Por isso que Jesus, O VERBO TABERNACULADO, desce as profundezas trevosas do inferno e toma a chave da MORTE do diabo.
Tornando Ele, o cabeça dos principados e potestades (leia Colossenses 2 - atente para o versículo 10). Agora pelo sangue do cordeiro, o diabo (Gadreel), o dragão e satã (Samyaza) podem ser vencidos, porque Jesus é também senhor do INFERNO, como desde a eternidade foi, mas que a agora em plenitude se consumou! Por fim, Jesus ressuscita e então tem se inicio o tempo da graça. Neste tempo, todos que se alimentarem da Árvore da Vida, a Videira Verdadeira (leia João 15) e exercerem a autoridade de Cristo, sobre o mal, conservando seu Espírito Santo, serão arrebatados ou morrerão em Cristo, não experimentando jamais o dolo da segunda morte. E com o cordeiro reinarão pelos séculos dos séculos.
CAPÍTULO 2 - KAIRÓS
Quero contar aqui algo que ocorreu em um tempo fora do tempo. Quero falar da primeva incepção. É uma tarefa hercúlea, mas tentarei ... É certo que o Espírito Eterno, sempre ajudando e inspirando, está aqui... Que seria eu sem o Pneuma, meu amigo? Que preenche e transborda o coração daqueles que vivem pelo Cordeiro. Espero que Ele, enquanto você lê esses escritos, que encha até transbordar as palavras e a linguagem seja muito mais viva que apenas letras mortas num papel.
Antes do tempo existir existia o Verbo, como disse João, “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. A luz resplandece nas trevas, e as trevas não prevaleceram contra ela.”
Todavia amigo pode ter passado em sua mente... O que havia antes do princípio, não é mesmo? Bom, tenho duas respostas para você, a mais simples é: Só Deus sabe... É... Não te satisfez... Nem a mim... Queremos saber, né? Aqui vem a segunda resposta. Nem tudo é possível saber, pois não há uma resposta que cabe na lógica atual desta criação.
Deixa te explicar melhor, se algo é o princípio de tudo, não pode haver antes... Estamos acostumados a viver em Chronos, o tempo depois do tempo, mas aqui, como disse outrora, estamos em Kairós, um não-lugar fora do tempo e do espaço. Isso por que o tempo como conhecemos também é uma Criação do Eterno.
Há perguntas que nunca saberemos a resposta. E há perguntas que não tem resposta. E estas só Deus sabe, por que Ele sabe de tudo. Em alguns casos Ele revela seus mistérios, como aconteceu com Enoch, o sétimo depois de Adão, mas isso lhe custou um alto preço. Não por que Deus é como o poderoso chefão, a Cosa Nostra, que lhe mata por que você sabe demais. Isso acontece por que há mistérios que se revelados podem modificar de tal forma a psique e o corpo que simplesmente a existência é desfeita.
Como está escrito em Gênesis que Enoch andou tanto com Deus que já não o era mais, e Deus o tomou. Esse tomar de acordo com o Codex Aleppo é אתו. Esta palavra tem sido alvo de estudos judaicos conhecidos como midrashim. Midrashim, nada mais é que estudos rabínicos mais aprofundados, tentando preservar a exegese original, que as vezes pode ter se perdido com o tempo. E podemos dizer que extraindo sua definição do Codex Aleppo ou ainda dos “Manuscritos do Mar Morto” possui uma acepção que mistura os sentidos das palavras fundir, desfazer, coexistir e coparticipar em uma única palavra.
E há Verdades em Deus e Ocultos que são tão perigosos, ou melhor, temerosos, que se revelados fora do momento escolhido enrolariam o universo como um pergaminho na mão de um escritor. E nisso não há menor graça... Nem para Deus... Nem para nós... É como saber o final do filme, antes de assisti-lo. Embora aqui não saiba nem revele estes mistérios, cuidado... Você não será mais o mesmo após ler esse livro... Eu te garanto... Quando o recebi percebi isso! É... o autor escreve, mas também o recebe, nem que seja pelo ar (Pneuma)! Não é mesmo Teófilo... Não é, meu amigo?
Voltaremos a falar depois sobre Enoch, personagem muito importante, que o livro de Judas (não o Iscariotes) cita, inclusive com alusões ao terceiro Livro de Enoch, que segundo muitos pais da Igreja, como Orígenes, deveriam estar no Cannon Bíblico, mas não estão por que os Judeus Ortodoxos, pais da Torah, o baniram pois continha profecias que os deixavam incomodados com sua exatidão sobre a vida do único e verdadeiro Cristo, Yeshua, o unigênito Filho de Deus.
O judaísmo rejeita a crença de que Jesus seja o Messias aguardado, argumentando que não corresponde às profecias messiânicas do Tanach, justamente por que mutilaram a Torah retirando o referido livro.
Quero deixar claro que não sou anti-semita muito pelo contrário. Oro pelo povo judeu, pelas suas aflições, mas sei que muito do que acontece no mundo (coisas boas e ruins) tem algum dedinho judaico. Em algum lugar está escrito que este povo será como pedra no sapato das nações. E em outro sítio diz que todas as famílias serão abençoadas pelos filhos de Abraão. Mas é certo que de fato comandam toda mídia ou pelo menos boa parte da mundial, mas com certeza da ocidental. Principalmente Hollywood. Preste atenção e verás que falo a verdade!
Quero também dizer que nada escapa a vontade de Deus. E este o permitiu, pois vivemos no tempo da graça, mas quando chegar o tempo dos Judeus estes acordarão para a besteira que fizeram, quão vergonhoso será reconhecer que eles, enganados e iludidos, favoreceram o “Abominável da Desolação”, por sua grande teimosia em não aceitar o Verbo Tabernaculado, Jesus de Nazaré. Sempre há um propósito oculto nas ações do Eterno. Principalmente na progressão do desvelo da verdade sobre o que e como se dará o desfecho de tudo. E o livro de Enoch terá importância ímpar neste processo.
Continuando... Posso dizer, ainda que grosseiramente, que Kairós é um lugar na mente de Deus, mais ou menos, como a imaginação humana, porém com realismo e detalhe maior que nosso mundo. Kairos é Deus descobrindo Deus e brincando de esconde-esconde com seu Filho e envolvendo e sendo envolvido pelo Espírito Santo. É como uma família, em seus momentos mais íntimos.
Bom... Para facilitar diremos que a primeira criação de Deus foi Deus. É como acontece no sistema de Boot de um PC. Deus cria Deus, ou melhor gera Deus. Deus na pessoa do Pai, cria o Filho, o Verbo. A BIOS de seu PC, ainda é seu computador, porém ela é o que dá o arranque em todo sistema computacional.
Por um prisma a vida pode ser vista como relacionamento. E não há relacionamento na Unidade Absoluta. Isso por que, relacionamento se expressa por pelo menos duas entidades. Deus só se relaciona com Deus em sua trindade. Entretanto, em Kairós, inicialmente só existia Deus UNO.
No princípio, havia o SER, o Verbo... Simples, compacto, total, denso e pontual. O “SER” neste ponto está impessoal e no infinitivo. Como o espectro da luz branca que carrega em unidade todas as cores. Não há o Eu, ou qualquer outro pronome, muito menos tempo verbal e ação. Apenas a existência. Embora não lhe faltasse cor alguma, faz parte da beleza de Deus compartilhar o que Ele tem...
É aqui que usar a linguagem, com suas limitações, torna tudo mais complicado. Se necessário releia esta parte. Vamos a ela...
Não havia nada, muito pelo contrário, do nada, nada se tira. O nada nunca se aplica ao ser, por isto não é! O nada como figura de linguagem pode ai sim ser alguma coisa, mas isso agora não vem ao caso. Nunca chegarei a um somando apenas zeros. Para o zero, o um é infinitamente grande, pois nem mesmo com infinitos zeros, chegamos a um. Mas com uns e zeros eu percorro o infinito. O sistema de numeração mais básico é composto de apenas dois números ou estados. Zero e Um. Ligado e Desligado. Vivo e Morto. Com estes dois dígitos posso expressar infinitos números... Ou estados... Mas o zero, ainda que seja o menor número expressando quantidade não é nada. Afinal o “é” pode lhe ser aplicado, pois este É um número.
Então o SER se esvaziou até morrer. A primeira morte é o vazio... Embora essa morte não seja a morte verdadeira... Algo como mergulhar num rio e voltar a superfície... Um batismo! Como um pai brinca com o filho com uma coberta fingindo e terminando com um put e se revelando.
As vezes esvaziar é triste e angustiante. As vezes trás alívio e gozo... Uma Catarse. Como os franceses chamam “La petit mort”. A pequena morte. Até Deus, apesar da dor de se esvaziar, sabia que o melhor é serem dois do que um! Morreu pois sabia que vale a pena morrer para que outros possam viver... Afinal... E a morte de Deus gerou o Filho. E assim dois estados ou entidades e um relacionamento em Espírito Santo.
Inicialmente esse relacionamento se processa como uma adição, uma soma, se preferir use a palavra do Codex Aleppo ???? para definir este relacionamento.
E o Filho falou... EU SOU! E um sorriso no rosto de Deus apareceu em alegria com as primeiras palavras do Filho... Ou seriam Suas? O que importa é que ele o Amou! Sim o primeiro sentimento de um relacionamento. O Espírito que une o Ser em Santidade! Agora Deus estava completo... Pai, Filho e Espírito Santo em Deus... Em Amor!
É amigo, na trindade as vezes não separamos quem é quem. Deus sabe bem expressar a palavrinha difícil, que significa fundir, desfazer, coexistir e co-participar, aquela do Codex, que da uma confusão doida na mente... Só posso dizer que a loucura de Deus é mais sábia que a sabedoria humana... Não é mesmo?
Quem nunca saboreou a cereja em cima do bolo fazendo um filho, não sabe o que é viver! A escritura afirma que o maior prazer aqui da terra é o menor dos que existem no céu! E deve ser mesmo, pois aqui cercados de pecados e de morte a expressão do amor, ainda que apenas erótico, é deveras agradável... Imagina como devem ser os relacionamentos no céu onde há pureza cristalina. Afinal o que temos aqui são apenas sombras, opacas como um espelho embaçado comparadas com o que há de vir!
Acho que estou ficando louco... Concorda?
Então continuando com essa sábia loucura... Deus, na Pessoa do Pai e Deus na Pessoa do Filho continuam um se entregando ao outro, enchendo e esvaziando, como um pulmão, renovando e purificando seu relacionamento, o Espírito de Sua Santidade que traz graça e sabor a vida, o Pneuma. Esse Amor, esse Espírito é o alimento da alma, da mente, de Deus, em Kairos, e também do nosso mais indissociável imo, o nosso EU SOU, o Arché citado no primeiro capítulo deste livro.
Quero deixar claro uma coisa. Deus é amor, mas o Amor, não é Deus. O amor, é o alimento, a fonte, o maná celestial que dá substância a matéria, mesmo que esse não a seja a matéria em si. Como disse Paulo em sua carta a Hebreus, “... entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível foi feito do invisível.” Em outras palavras, o que é físico, em sua essência, é feito daquilo que não está em Physis.
Seu fosse um cientista, e na verdade o sou, diria que a matéria não possui materialidade em si, mas o espaço, o oceano de Higgs é que lhe dá materialidade, como sua massa e densidade. O átomo é um imenso espaço vazio, com pequeníssimas partículas, uma laranja no centro de um gigantesco campo de futebol. O universo, no frigir dos ovos, é mais de 99,9999% de espaço vazio. Afinal, no principio, o grão de mostarda, átomo primordial, cabia na cabeça de um alfinete, mas pesava mais que bilhões de sois.
Falando em BIOS, que anteriormente referida como o Sistema Básico de Entrada e Saída, quero também falar de Bios, como vida biológica. Qual a principal coisa que deve existir para que haja vida? Para responder isso vamos definir vida.
Vida, conforme aprendemos na escola, de um modo geral, precisa exibir todos os seguintes fenômenos pelo menos uma vez durante a sua existência: Desenvolvimento: passagem por várias etapas distintas e seqüenciais, que vão da concepção à morte. Crescimento: absorção e reorganização cumulativa de matéria oriunda do meio; com excreção dos excessos e dos produtos "indesejados". Movimento: em meio interno (dinâmica celular), acompanhada ou não de locomoção no ambiente. Reprodução: capacidade de gerar entidades semelhantes a si própria. Resposta a estímulos: capacidade de "sentir" e avaliar as propriedades do ambiente e de agir seletivamente em resposta às possíveis mudanças em tais condições. Evolução: capacidade das sucessivas gerações transformarem-se gradualmente e de adaptarem-se ao meio.
***
Fim da mostra de meu primeiro livro... Podes reproduzir estes capítulos onde quiseres, mas lembre-se de citar o autor - Rodrigo Lima – http://seguidoresdocaminhoeterno.blogspot.com.b)
***
Curioso para saber o final... Você já sabe... Mas ainda não lembra!!! Aguarde... Em breve numa livraria perto de você e na internet para baixar gratuitamente em MOBI, PDF e Epub... Espere, vai valer a pena... Enquanto isso, espalhe a mensagem!
submitted by rodrigoablima to EscritoresBrasil [link] [comments]


Thiago Matheus - O Amante (Videoclipe Oficial) - YouTube Meu marido ENGRAVIDOU a AMANTE  Como perdoar? TARÔ: O MEU AMANTE ME AMA? - YouTube Algo Mais (Amante) - YouTube Ex-amante revela: «Foi visitar o meu pai e disse-lhe que ... Meu marido foi morar com a amante GANHEI PRESENTE DO MEU AMANTE E OLHA O QUE MEU NAMORADO ... MEU MARIDO TÁ EM CASA MAS TEM AMANTE O meu marido tem uma amante... Sonhar Com Amante - Significado

Conceito de amante - O que é, Definição e Significado

  1. Thiago Matheus - O Amante (Videoclipe Oficial) - YouTube
  2. Meu marido ENGRAVIDOU a AMANTE Como perdoar?
  3. TARÔ: O MEU AMANTE ME AMA? - YouTube
  4. Algo Mais (Amante) - YouTube
  5. Ex-amante revela: «Foi visitar o meu pai e disse-lhe que ...
  6. Meu marido foi morar com a amante
  7. GANHEI PRESENTE DO MEU AMANTE E OLHA O QUE MEU NAMORADO ...
  8. MEU MARIDO TÁ EM CASA MAS TEM AMANTE
  9. O meu marido tem uma amante...
  10. Sonhar Com Amante - Significado

Meu marido foi morar com a amante Escola do Amor - The Love School. ... #211 O que faço para trazer meu marido de volta? ... 20:40. Amantes - o que vc precisa saber sobre eles #AGATHATODODIA ... Assista SEU ZÉ - NOVO LANÇAMENTO: http://bit.ly/seuze Clique aqui para ouvir O Amante: http://lml.to/OAmante ----- P... Provided to YouTube by Som Livre Algo Mais (Amante) · Xand Avião · Gusttavo Lima · Waléria Leão · Blener Maycom Errejota (ao Vivo) ℗ 2019 Som Livre Released ... Estou grávida e descobri que meu marido é amante do marido da minha amiga. Penso em morte! - Duration: 18:31. Caio Fábio 73,040 views. 18:31. Traição e recomeço - Pe. Meu marido foi morar com a amante - Duration: 3:19. Escola do Amor - The Love School 112,912 views. ... Amantes - o que vc precisa saber sobre eles #AGATHATODODIA - Duration: 21:33. Ex-amante revela: «Foi visitar o meu pai e disse-lhe que queria casar-se comigo ... *************************************************************************... GANHEI PRESENTE DO MEU AMANTE E OLHA O QUE MEU NAMORADO FEZ! Falei para meu namorado que ganhei presente do meu amante e olha o que ele fez... MEU INSTAGRAM:... RITUAL DO ANJO DA GUARDA: http://www.30.idmkt7.com/w/1e2e1QpSed7oHNJCgQecc498f1-e!uid Blog: http://www.acasadooraculo.com E-mail: [email protected] Wh... Meu marido foi morar com a amante - Duration: 3:19. Escola do Amor ... SONHEI COM MEU EX, O QUE SIGNIFICA? - Duration: 19:00. Dau Luz Filha dos Ventos Clarividente 202,311 views. O meu marido tem uma amante... Psicologia da Relação ... Diz que me ama, mas não deixa a amante - Duration: 2 ... Cônjuge com o(a) amante é mais difícil para Deus restaurar? Ágatha ...